Conecte conosco

Oi, o que você está procurando?

Coluna

Já raiou a liberdade

Em 07 de setembro de 1822, no Brasil, raiava a liberdade diante das palavras de Dom Pedro I declarando a independência do nosso país ante a Portugal. No hino composto pelo Imperador, o refrão conclama que “ou ficar a pátria livre / ou morrer pelo Brasil”. Em 2021, na semana da Independência, em torno do dia 07, se celebra os 199 anos do acontecimento que mudou o Brasil.

Pedro Calmon, renomado historiador brasileiro, assim retrata, em seu História do Brasil, a noite daquele 07 de setembro: “À noite, houve espetáculo solene na casa da Ópera. A sessão correu memorável, porque se executou música do príncipe, sobre a letra do hino de Evaristo da Veiga, “Brava gente brasileira…”, e o Padre Ildefonso Xavier Ferreira aclamou, entre os aplausos da plateia: “Viva o primeiro rei brasileiro!”.
Diferente da maioria dos países sul-americanos, o Brasil foi quem transitou uma independência de maneira pacífica, sem derramamento de sangue, e não optou pelo caminho das Repúblicas, mas por uma Monarquia constitucional, que aderiu, ao decorrer do século XIX, ao parlamentarismo. Foi graças ao pulso firme de Dom Pedro I que o país não se dividiu em republiquetas nos moldes do que foi visto com as colônias da Espanha na região. A força unificadora de nossos monarcas uniu o país e o transformou na maior potência da América Latina.

Pouca é a importância que se dá para o período do Império do Brasil na memória brasileira. Foi ali que tivemos a nossa primeira, e mais duradoura Constituição, a de 1824, reconhecida pelo historiador João Camilo de Oliveira Torres como “a mais democrática de todas as constituições monárquicas”. No seu artigo 10, era reconhecido o quarto poder político, a dizer, o Poder Moderador, exercido pelo Imperador com fins de equilibrar principalmente o Poder Executivo e Legislativo. Fosse hoje, não teríamos uma gigantesca crise política envolvendo os poderes, caso ainda tivéssemos uma monarquia constitucional.
Foi naquele mesmo período que tivemos a criação, por exemplo, do Supremo Tribunal de Justiça em 1828, pela Lei 18 de setembro de 1828, com autoria do conservador Bernardo Pereira de Vasconcelos. Tempos em que a política não transitava entre PT, PSDB e PSL, mas entre os saquaremas do Partido Conservador e os luzias do Partido Liberal.

Bernardo Pereira de Vasconcelos, Honório Hermeto, o marquês do Paraná, Eusébio de Queirós – sim, o ligado à extinção do tráfico africano -, Paulino José Soares, o visconde do Uruguai, José Maria da Silva Paranhos, o visconde do Rio Branco – sim, o que dá nome ao principal instituto da diplomacia brasileira, o Instituto Rio Branco -, Duque de Caxias, o grande militar conservador e, para encerrar as citações, João Alfredo Correia de Oliveira, o autor da abolição. Os nomes são de grandes conservadores do século XIX e que você talvez possa se interessar em buscar, ler e conhecer mais sobre o Brasil daquela época. Recomendo o livro “Construtores do Império”, do historiador João Camilo de Oliveira Torres, e já aviso que o seu professor da escola muito provavelmente não deve conhecê-lo.
Por fim, o Império do Brasil que surgiu independente de Portugal em 1822 com o brado de “já raiou a liberdade” foi o mesmo que, com um dos maiores estadistas brasileiros, o Imperador Dom Pedro II, viu o primeiro golpe republicano e a queda da monarquia em 1889. Dentre as causas, a abolição da escravatura guiada por um conservador e assinada pela princesa Isabel, a Redentora. Nascido na liberdade, morto por proclamar a liberdade, assim foi a nossa monarquia.
Que nessa semana da Independência você possa relembrar das grandes personalidades e momentos de nossa Nação, mantendo aceso em seu coração o patriotismo. E jamais esquecer da letra do hino da Independência, principalmente do trecho que diz “não temais ímpias falanges / que apresentam face hostil / vossos peitos, vossos braços / são muralhas do Brasil”.

Comentários

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar

Religião

A morte de João Batista abalou Nosso Senhor, que naquele dia quis ficar só, precisou de uma pausa. Tão conhecido no evangelho é a...

Gerais

Via: dayly caller com tradução de Maria Fernanda Senna Mais da metade dos americanos acredita que o presidente Joe Biden não é “mentalmente aguçado”...

Gerais

Via: terra Brasil O piloto de moto espanhol Dean Berta Viñales, 15 anos, morreu neste sábado (25) após um grave acidente durante a corrida...

Coluna

Via: national review com tradução de Maria Fernanda Senna Bruce Abramson tem uma coluna na RealClearPolitics reclamando que os conservadores deveriam se concentrar menos em conservar e resistir...

Coluna

Por: Bethânia Teixeira Mendes A posse e o porte de armas de fogo sempre foram permitidos no Brasil. O direito de acessar armas de...

Gerais

O Banco Central da China declarou hoje (24/09), ilegais todas as operações envolvendo criptomoedas sob alegação de que essas operações põe em risco a...

Gerais

O governador Romeu Zema (NOVO) anunciou hoje (24/09), através de suas redes sociais que decidiu vetar o projeto de lei 1155/2015 que estabelecia novas...

Gerais

O líder do MTST promete novos ataques com um suposto combate contra a fome e o desemprego. Guilherme Boulos (Psol), líder do Movimento dos...