Conecte conosco

Oi, o que você está procurando?

Religião

A ESPERANÇA DO CÉU

Via: hablar com Dios

– Fomos criados para o Céu. Fomentar a esperança.

– O que Deus revelou sobre a vida eterna.

– A ressurreição da carne. O pensamento do Céu deve levar-nos a uma luta decidida e alegre por alcançá-lo.

I. NESTES QUARENTA DIAS que separam a Páscoa da Ascensão do Senhor, a Igreja convida-nos a ter os olhos postos no Céu, a Pátria definitiva a que o Senhor nos chama.

O Senhor prometera aos seus discípulos que, passado um pouco de tempo, estaria com eles para sempre. Ainda um pouco de tempo e o mundo já não me verá. Vós, porém, tornareis a ver-me…1 O Senhor cumpriu a sua promessa nos dias em que permaneceu junto dos seus após a Ressurreição, mas essa presença não terminará quando subir com o seu Corpo glorioso ao Pai, pois pela sua Paixão e Morte nos preparou um lugar na casa do Pai, onde há muitas moradas2Voltarei e tomar-vos-ei comigo, para que, onde eu estou, estejais vós também3.

Os Apóstolos, que se tinham entristecido com a predição das negações de Pedro, são confortados com a esperança do Céu. A volta a que Jesus se refere inclui a sua segunda vinda no fim do mundo4 e o encontro com cada alma quando se separar do corpo. A nossa morte será precisamente o encontro com Cristo, a quem procuramos servir nesta vida e que nos levará à plenitude da glória. Será o encontro com Aquele com quem falamos na nossa oração, com quem dialogamos tantas vezes ao longo do dia.

Do trato habitual com Jesus Cristo nasce o desejo de nos encontrarmos com Ele. A fé lima muitas das asperezas da morte. O amor ao Senhor muda completamente o sentido desse momento final que chegará para todos. “Os que se amam procuram ver-se. Os enamorados só têm olhos para o seu amor. Não é lógico que seja assim? O coração humano sente esses imperativos. Eu mentiria se negasse que me move tanto a ânsia de contemplar a face de Jesus Cristo. Vultum tuum, Domine, requiram, procurarei, Senhor, o teu rosto”5.

O pensamento do Céu ajudar-nos-á a superar os momentos difíceis. É muito agradável a Deus que fomentemos esta esperança teologal, que está unida à fé e ao amor, e que em muitas ocasiões nos será especialmente necessária. “À hora da tentação, pensa no Amor que te espera no Céu. Fomenta a virtude da esperança, que não é falta de generosidade”6. Devemos fomentá-la nos momentos em que a dor e a tribulação se tornarem mais fortes, quando nos custar ser fiéis ou perseverar no trabalho ou no apostolado. O prêmio é muito grande! E está no dobrar da esquina, dentro de não muito tempo.

A meditação sobre o Céu deve também estimular-nos a ser mais generosos na nossa luta diária “porque a esperança do prêmio conforta a alma para que empreenda boas obras”7. O pensamento desse encontro definitivo de amor a que fomos chamados ajudar-nos-á a estar mais vigilantes nas nossas tarefas grandes e nas pequenas, realizando-as de um modo acabado, como se fossem as últimas antes de irmos para o Pai.

II. NÃO EXISTEM PALAVRAS para exprimir, nem mesmo remotamente, o que será a vida no Céu que Deus prometeu aos seus filhos. Sabemos que “estaremos com Cristo e veremos a Deus (cfr. 1 Jo 3, 2); promessa e mistério admiráveis, nos quais reside essencialmente a nossa esperança. Se a imaginação não os pode alcançar, o coração alcança-os instintiva e profundamente”8.

Será uma realidade felicíssima, que agora entrevemos pela Revelação e que mal podemos imaginar nas nossas condições atuais. O Antigo Testamento descreve a felicidade do Céu evocando a terra prometida depois de tão dura caminhada pelo deserto. Ali encontraremos todos os bens9, ali terminarão as fadigas de tão longa e difícil peregrinação.

O Senhor falou-nos de muitas maneiras da incomparável felicidade que aguarda aqueles que amam a Deus com obras neste mundo. A eterna bem-aventurança é uma das verdades que nos pregou com mais insistência: Esta é a vontade daquele que me enviou: que eu não deixe perecer nenhum daqueles que me deu, mas que os ressuscite no último dia. Esta é a vontade de meu Pai: que todo aquele que vê o Filho, e nele crê, tenha a vida eterna10Pai, dirá na Última Ceia, quero que, onde eu estou, estejam comigo aqueles que me deste, para que vejam a glória que me concedeste, porque me amaste antes da criação do mundo11.

A bem-aventurança eterna é comparada a um banquete que Deus prepara para todos os homens e que saciará todas as ânsias de felicidade que o ser humano traz no coração12. Os Apóstolos falam-nos freqüentemente dessa felicidade que esperamos. São Paulo ensina que agora vemos a Deus como por um espelho, confusamente; mas então vê-lo-emos face a face13, e ali a nossa alegria e felicidade serão indescritíveis14.

A felicidade da vida eterna consistirá antes de mais nada na visão direta e imediata de Deus. Esta visão não é somente um conhecimento intelectual perfeitíssimo, mas também comunhão de vida com Deus, Uno e Trino. Ver a Deus é encontrar-se com Ele, ser feliz nEle. Da contemplação amorosa das três Pessoas divinas brotará em nós uma alegria ilimitada. Serão satisfeitas, sem termo e sem fim, todas as exigências de felicidade e de amor do nosso pobre coração.

“Vamos pensar no que será o Céu. Nem olho algum viu, nem ouvido algum ouviu, nem passaram pelo pensamento do homem as coisas que Deus preparou para os que o amam. Imaginamos o que será chegar ali, e encontrar-nos com Deus, e ver aquela formosura, aquele amor que se derrama sobre os nossos corações, que sacia sem saciar? Eu me pergunto muitas vezes ao dia: o que será quando toda a beleza, toda a bondade, toda a maravilha infinita de Deus se derramarem sobre este pobre vaso de barro que sou eu, que somos todos nós? E então compreendo bem aquela frase do Apóstolo: Nem olho algum viu, nem ouvido algum ouviu… Vale a pena, meus filhos, vale a pena”15.

III. ALÉM DO IMENSO JÚBILO de contemplar a Deus, de ver e de estar com Jesus Cristo glorificado, experimentaremos uma bem-aventurança acidental, que nos fará fruir dos bens criados que satisfazem as nossas aspirações. A companhia das pessoas justas a quem mais quisemos neste mundo: a família, os amigos; como também a glória dos nossos corpos ressuscitados, porque o nosso corpo ressuscitado será numérica e especificamente idêntico ao terreno: É necessário – indica São Paulo – que este corpo corruptível se revista da incorruptibilidade, e que este corpo mortal se revista da imortalidade16Este, o nosso, não outro semelhante ou muito parecido. “É muito importante – afirma o Catecismo Romano – estarmos convencidos de que este mesmo corpo, e sem dúvida o mesmo corpo que foi o de cada um, ainda que se tenha corrompido e reduzido a pó, não obstante ressuscitará”17. E Santo Agostinho afirma com toda a clareza: “Ressuscitará esta carne, a mesma que morre e é sepultada […]. A carne que agora adoece e sofre dores, essa mesma ressuscitará”18.

Se formos fiéis, a nossa personalidade continuará a ser a mesma e teremos o nosso próprio corpo, mas revestido de glória e esplendor. O nosso corpo terá as qualidades próprias dos corpos gloriosos: agilidade e sutileza – quer dizer, não estará submetido às limitações do espaço e do tempo –, impassibilidade – Deus enxugará toda a lágrima de seus olhos, e já não haverá morte, nem luto, nem gemido, nem dor19 –, luminosidade e beleza.

“Creio na ressurreição da carne”, confessamos no Símbolo Apostólico. Os nossos corpos no Céu terão características diferentes das atuais, mas continuarão a ser corpos e ocuparão um lugar20, como agora o Corpo glorioso de Cristo e o da Virgem Maria. Não sabemos como nem onde está nem como se forma esse lugar. A terra atual ter-se-á transfigurado: Vi então um novo céu e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra desapareceram… Eis que faço novas todas as coisas21. Muitos Padres e Doutores da Igreja, como também muitos santos, pensam que a renovação de todas as coisas criadas se infere da própria Revelação.

O pensamento do Céu, agora que estamos próximos da festa da Ascensão, deve levar-nos a uma luta decidida e alegre por tirar os obstáculos que se interpõem entre nós e Cristo, deve estimular-nos a procurar sobretudo os bens que perduram e a não desejar a todo o custo as consolações que acabam.

Pensar no Céu dá uma grande serenidade. Nada aqui na terra é irreparável, nada é definitivo, todos os erros podem ser retificados. O único fracasso definitivo seria não acertarmos com a porta que conduz à Vida. Ali nos espera também a Santíssima Virgem.

Comentários

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode gostar

futebol

A Câmara dos Deputados emitiu um comunicado na noite da última segunda-feira, 8, esclarecendo alguns pontos envolvendo a criação de um grupo para acompanhar a preparação da...

Política

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu a manifestação da Procuradoria-Geral da República (PGR) sobre a abertura de investigação contra o...

Política

Em seu primeiro dia de governo, o novo presidente da Colômbia, Gustavo Petro, apresentou ao Congresso um projeto de reforma tributária, com previsão de aumento...

Policial

No último domingo (7/8), em Jaboticatubas, na região Metropolitana, foi cumprido o mandado de Prisão Preventiva expedido em desfavor de um homem, de 33...

Saúde

O presidente da Sociedade Brasileira de Diabetes – Regional RJ (SBD-RJ), Daniel Kendler, lembra, no Dia Nacional de Prevenção e Controle do Colesterol, comemorado hoje (8),...

Policial

Está internado no Hospital de Pronto Socorro João XXIII, em Belo Horizonte, um aluno do curso de formação de Soldados da Polícia Militar que...

Política

A indicação é que o vice seja o deputado federal Bilac Pinto. O senador Carlos Viana, candidato do PL ao Governo de Minas Gerais,...

Economia

O economista da Fundação Getulio Vargas (FGV), André Braz, diz que a redução de 3,5% no preço do diesel, anunciada nesta quinta-feira (4), pela Petrobras, terá...