Conecte conosco

Oi, o que você está procurando?

Coluna

A Direita em defesa do direito da criança e adolescente

 

Recentemente, um professor da rede estadual de educação do estado da Bahia usou de sua autoridade para submeter crianças de 11 a 13 anos, seus alunos, a beijarem um aos outros em troca de pontos na média curricular e vantagens financeiras. Inquestionavelmente, causando um afronto à dignidade da criança e adolescente, bem como, ao ordenamento jurídico brasileiro.

Essa conduta é tipificada como crime de Assédio Sexual previsto no artigo 216-A do Código Penal Brasileiro (CP). Esse delito pressupõe a existência de uma relação entre o agente e a vítima, em que o agente usa a hierarquia ou ascendência de seu cargo, emprego ou função com a finalidade de obter a vantagem sexual.

O professor constrangeu as crianças com o intuito de satisfazer sua lascívia sexual, ou seja, para obter vantagem sexual, prevalecendo-se de sua ascendência sobre os menores inerentes à sua função de professor.

No entanto, a atitude do professor concomitantemente se enquadra no tipo penal previsto no artigo 232 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que é submeter à criança ou adolescente sob sua autoridade, guarda ou vigilância a vexame ou a constrangimento.

Diante do exposto, não há dúvida de que o professor submeteu crianças sob sua autoridade e vigilância a constrangimento ao induzi-las a prática de atos lascivos.

A Constituição Federal (CF), em seu artigo 227 assegura que a família, a sociedade e o Estado devem garantir à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, para que estes tenham condições de um pleno desenvolvimento físico, mental, espiritual e social. Com isso, é dever constitucional do Estado, por meio das determinações previstas no Estatuto da Criança e Adolescente (ECA), que este fiscalize, proteja e impeça violações na prática dos direitos da criança e do adolescente.

Atualmente o Brasil atravessa uma profunda crise quanto ao desenvolvimento pessoal, formação psicológica, social, intelectual e biológica das crianças e adolescentes. No entanto, prática como a descrita anteriormente devem ser abominadas, intoleráveis e inadmissíveis aos agentes do Estado que devem resguardar, garantir e proteger os direitos das mesmas e jamais colocá-las em risco, expor ou afetar seu desenvolvimento e formação.

Comentários

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar

Gerais

A deputada Janaína Paschoal deu um “verdadeiro chilique” após descobrir que o presidente Jair Bolsonaro resolveu apoiar a ministra Damares Alves para o Senado...

Gerais

via: el american O ciclo hiperinflacionário na Venezuela parece esgotado após quatro anos intensos de destruição do aparato produtivo, algo que deveria ser motivo...

Gerais

via: conexão política Em meio à campanha de vacinação contra a covid-19, 57.147 crianças e adolescentes em todo o país foram imunizados com doses...

Gerais

via: revista oeste Voltou a circular nas redes sociais uma entrevista do site Opera Mundi com o ex-ministro Zé Dirceu, realizada em dezembro de 2021. Nas...

Gerais

via: terra Brasil A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta quinta-feira (20) a aplicação do imunizante CoronaVac em crianças e adolescentes com...

Patos de Minas - Minas Gerais

A liberdade e garantias individuais prevaleceram depois que o vereador  patense buscou os meios legais. O prefeito de Lagoa formosa, cidade que pertence à...

Gerais

via: terra Brasil Dois homens morreram e outro ficou ferido, na madrugada desta quinta-feira, após um tiroteio que aconteceu na porta de uma boate...

Coluna

Por Ciro Pereira No dia 19 de novembro de 2021 o Prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil disse de forma pública nos meios de...